Métricas para o fluxo de caixa

O fluxo de caixa é um controle que vai muito além de medir entradas e saídas. Seu propósito é promover a saúde financeira, por isso, suas métricas de análise devem estar sempre em conformidade com os objetivos e o real contexto em que a organização está inserida.

Garantir que seu fluxo de caixa represente um “mapa” da jornada financeira da empresa no mês em questão é uma medida elementar para qualquer empresa.

Você deve saber que o fluxo de caixa é uma ferramenta básica, embora poderosa, para a gestão financeira de qualquer negócio. Sua maior importância vem do fato de servir de base para planejar a liquidez do caixa. Por isso, o fluxo deve ser atualizado diariamente. É comum que os empreendedores brasileiros fixem como “regra” fazer o chamado fechamento de caixa ao final de cada mês. Assim, torna-se possível averiguar se o mês que se inicia requerirá empréstimos ou não.

Agora, vamos falar de forma mais abrangente sobre certas métricas que você deve considerar ao fazer o fluxo de caixa do seu negócio. E também de que forma a análise dessas métricas pode se relacionar com o sucesso (ou fracasso) da organização.

Entradas
Entradas operacionais: Referentes a todos os valores que entraram em relação as vendas de produtos. E/ou serviços prestados pela empresa, ou seja, que fazem parte da empresa.

Temos uma relação de contas que podem ser conferidas em seu fluxo de caixa: duplicatas, cartões, dinheiro, cheques, descontos de duplicatas, adiantamento de Cartões, adiantamento de duplicatas, troca de cheques entradas etc.

Entradas de empréstimos: É necessário separar as entradas que teve de empréstimos realizados, sejam eles bancários ou de terceiros. Além disso, também podemos considerar neste caso aporte dos sócios.

Vendas de bens: Ocorrem em certos períodos que a empresa pode vender alguns bens, seja porque já não têm mais utilidade para empresa ou para levantar dinheiro.

Saídas
São todos pagamentos relacionados ao negócio, que para facilitar a análise, consolidamos em um plano de contas. O plano tem como objetivo sintetizar algumas contas, como telefone. Em muitos casos a empresa paga o telefone celular de duas ou mais companhias além do telefone fixo.

Segue as relações de contas a serem conferidas: Matéria Prima, salários, encargos, pró-labore, energia elétrica, telefone etc.

Compra de Bens e Investimentos: Neste caso são saídas referentes a compras de itens que vão fazer parte do ativo permanente da empresa: veículos, equipamentos de Informática, móveis, máquinas, terrenos e imóveis etc.

Pagamento de Financiamentos e Empréstimos: Estes são os pagamentos referentes a amortização de empréstimos e juros recorrentes. Aqui, é interessante separar os juros da amortização, pelo fato de que os juros serão referentes a uma conta que vai envolver o Demonstrativo de Resultado tipo: amortização de empréstimos, juros de empréstimos, juros de duplicatas, juros de cartões, juros de cheque especial, juros conta garantida, juros de duplicatas etc.

Erros comuns a evitar em seu fluxo de caixa
O erro mais comum, e que você com certeza conhece, consiste na prática de reduzir as métricas do fluxo de caixa a entradas e saídas “simples”. Sem levar as métricas e a análise mais a fundo. Por exemplo, a tendência é que o fluxo de caixa exista nas empresas, mas não seja utilizado a favor dos empresários. Isso porque estes acabam tendo que apelar para a “intuição”.

Dessa forma, a tendência é também que isso acarrete em um outro erro, que é a inconsistência dos dados registrados, tipo:

→ Não atualizar o fluxo recorrentemente
→ Categorizar lançamentos de forma genérica, favorecendo brechas para inconsistências
→ Misturar despesas da empresa e pessoais
→ Não integrar despesas que podem ser integradas (como no exemplo da conta telefônica)
→ Não investir em ferramentas para automatizar, registrar e monitorar o fluxo de caixa
→ Contar com entradas futuras para novas saídas

Atente para esses detalhes, preocupando-se com os pontos que você precisa aprimorar.
Invista em seus controles financeiros para garantir de uma vez por todas a estabilidade que você tanto almeja para o caixa do seu negócio.
 

Autor: Marcelo dos Santos Zaché

Mais publicações